SSPDS apresenta sistema Spia em evento internacional de Segurança Pública em Brasília

16 de Maio de 2018 # # #

A utilização de tecnologias no combate às ações criminosas em território cearense foi pauta de uma apresentação feita pelo secretário André Costa, titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), na tarde dessa terça-feira (15), durante o I Simpósio Internacional de Segurança Pública, em Brasília, Distrito Federal. O Estado foi destacado para falar sobre o Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia), desenvolvido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em parceria com a SSPDS e a Universidade Federal do Ceará (UFC). Nessa segunda-feira (14), o gestor já havia se reunido com o secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto dos Santos Cruz, para tratar, entre outros assuntos, da importância de haver a integração de dados entre todos os Estados da União.

O tema do evento foi “As Inovações Tecnológicas no Combate à Criminalidade” e ocorreu no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), onde além de se reunirem representantes estaduais, também estiveram presentes profissionais da Polícia Federal, do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Ministério da Justiça, além da Interpol, da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e da Receita Federal. A iniciativa foi coordenada pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), durante os dias 14 e 15 de maio.

Durante a apresentação, André Costa falou sobre o funcionamento do Spia e a contribuição do sistema na redução geral dos Crimes Violentos Contra o Patrimônio (CVP) no Estado, como também o auxílio da ferramenta no andamento dos trabalhos investigativos envoltos de outros delitos, como os Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs). “O Ceará foi selecionado por ter encontrado um local de destaque, no cenário nacional, com as ações realizadas pelo Spia. O mecanismo está inserido em um contexto maior de investimentos realizados pelo Governo do Estado, em diversas ferramentas de tecnologia voltadas para a segurança pública. Inclusive, o funcionamento tem sido amplamente utilizado pelos investigadores da Polícia Civil, tornando-sefundamental para desvendar crimes como homicídios, assaltos, receptações e roubos de carga”, disse.

Costa destacou também a importância da integração entre os Estados da Federação, como a assinatura de um protocolo de intenções, ocorrida no dia 4 de abril deste ano, entre o Ceará e a Paraíba. Na ocasião, os dois estados nordestinos passaram a compartilhar informações em prol de um único objetivo: o combate às ações criminosas. “O Spia trabalha especialmente em duas políticas. A primeira trata da integração, uma vez que participam diversos órgãos federais, estaduais e municipais, que agregam suas bases de dados em um único sistema. E isso tem sido algo que buscamos em todo o País. Já a segunda política é a de combate à mobilidade do crime, pois os criminosos utilizam de veículos e motocicletas para a prática de delitos”, destacou.

O que é o Spia?

A ferramenta tecnológica age por meio de sensores espalhados pela Estado, que tem auxiliado na localização e recuperação de veículos roubados ou furtados.Para Aloísio Neto, coordenador substituto do Escritório Regional de Gestão Estratégica da PRF, o Ceará, atualmente, funciona como um laboratório em segurança pública para os demais Estados do Brasil. “Iniciado em 2017, o Spia, já em 2018, contribuiu para uma redução de 33,5% dos índices de CVP; e de 30,9% em roubos de veículos em todo Estado. Em relação ao índice de recuperação de veículos, o aumento foi de 43% entre 2017 e o ano anterior”, destacou.

Ainda de acordo com Aloísio, além da Paraíba, a Bahia já se encontra em fase avançada, realizando os primeiros testes. “Quase todos os estados do Nordeste já iniciaram as tratativas para a implementação do mecanismo. Com a integração junto ao Spia, os órgãos federais, estaduais e municipais passam a compor uma única rede interestadual que se estende estrategicamente entre os municípios, coletando e compartilhando informações preciosas para a segurança pública”, finalizou.

Fotos: Alice Maria Diniz